terça-feira, 3 de fevereiro de 2009

Quando você não está feliz onde está e não tem muita certeza se quer sair, ou como sair, encontra-se no meio-tempo. Fica se segurando, com medo de cair, sem querer se machucar, com medo de machucar a outra pessoa. Reza para que a outra pessoa vá embora primeiro para você não arcar com a culpa. A outra pessoa vive dando dicas, dizendo que é hora de desistir. Você nega! Por quê? Você não sabe por quê, mas, como já disse, o meio-tempo é assim mesmo, cheio de não sei e não posso. Não sei por que não posso ir. Não sei por que devo ficar. Não sei para onde estou indo. Não sei como vou chegar lã, onde quer que seja.


( Trecho do livro enquanto o amor não vem)


Concordo plenamente com esse trecho. Eu já estive numa situação dessas. Estava em um relacionamento falido, entediante. Louca para ir embora. Mas eu não sabia como ir. Ou melhor, eu sabia, mas tinha medo de machucar a outra pessoa. E sempre que eu tomava a decisão de acabar tudo, eu pensava melhor e voltava atrás. Era entendiante, sem graça, sem entusiasmo. Mas ao menos, no final do dia eu tinha alguém para conversar sobre coisas entediantes. Alguém para fazer um sexo "mamão com açúcar". Alguém para passar a mão por cima de mim na madrugada fria. Fui egoísta, insensível e sacana.

Eu dei inúmeros motivos para que ele terminasse. Não queria levar a culpa por ter terminado com alguém que um dia foi muito legal comigo. Eu sentia que tinha uma dívida de gratidão com ele, e isso me prendia.

Pra mim, era mais fácil que ele terminasse, assim eu ficaria de "consciência limpa" : ah, foi ele quem terminou.

Mesmo dando inúmeros motivos, ele não fazia nada. Ignorava, perdoava e seguia em frente. Quando ele percebia que eu queria mesmo cair fora, ele sempre vinha com conversas do tipo " se você me deixar eu vou morrer de solidão", " não sei o que fazer sem você", e cada vez que ele dizia isso, eu me prendia mais e mais.

Até que eu comecei a sentir raiva dele. Não era possível alguém com tanta falta de amor próprio. Estava óbvio demais que eu não queria continuar, por que raios ele insistia em receber um amor que eu não tinha mais para oferecer? E se tivesse, eu não queria oferecer pra ele.

Então eu percebi o tamanho da minha covardia. Eu estava presa em um relacionamento falido e não tinha coragem de ir embora. Eu esperava que ele fizesse para me sentir melhor comigo mesma. Mas isso não ia rolar.

Acho que se eu esperasse por ele, estaria naquele relacionamento fracassado até hoje.

Tomei coragem e disse que sentia muito, mas o encanto havia acabado. E se continuassemos insistindo, talvez até o carinho e o respeito fossem pelo mesmo caminho.

Não foi fácil. Ele usou de todas as artimanhas para que eu me sentisse culpada pela infelicidade dele. Mas foi a coisa certa a ser feita. Eu me senti mal por um tempo. Por saber que ele estava sofrendo, mas era uma coisa inevitável. Foi melhor ser honesta comigo e principalmente, com ele.

Sei lá, acho que ele ainda me odeia. Mas ele queria algo que eu não tinha para oferecer. Ele queria que eu suprisse a carência dele. Logo eu, tão cheia de carências também. Eu não era a solução dos problemas dele nem ele era dos meus. Éramos duas pessoas cheia de questões internas para resolvermos. Duas pessoas carentes, que por algum motivo confundiu nossas frustrações com amor.

Hoje, vivendo outro relacionamento bem mais maduro, eu percebo que o amor nunca existiu entre nós. Era um carinho muito especial, um companheirismo, que por estramos carentes demais, foi confundido com amor.

Há quem diga que fui uma tremenda sacana, e eu respeito isso. Mas eu não me arrependo de nada. Talvez de ter demorado tanto para tomar essa decisão. Mas não me arrependo de ter ido embora.

8 comentários:

  1. Essa é minha primeira visita.Amei seu espaço!Hoje estou com o tempo curto,mas voltarei a ler os outros posts com mais tempo.Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi! Obrigada pela visita! E quem nunca viveu uma coisa assim que atire a primeira (de muitas) pedra... é difícil sim. O ser humano é um bicho complicado. Se somos desprezados, sofremos e se somos os "desprezadores" às vezes sofremos mais ainda. Bom, talvez ele não te odeie. Não, se ele tinha algo sincero por você. No início, talvez. Depois que o tempo passa, a coisa muda.
    Um cheiro grande e uma boa tarde!

    ResponderExcluir
  3. Tomar decisões pra mim tbm é extremamente difícil. E mais ainda quando há outra pessoa envolvida!
    Mas se você não podia fazê-lo feliz e nem ele a você, não tinha porque insistir nisso.
    Ainda bem que você conseguiu sair dessa e agora já está em outra bem melhor e mais satisfeita!

    Um beijo!!
    :)

    ResponderExcluir
  4. Já li esse livro e achei super legal pra abrir os olhos de quem ainda tá preso nessas complicações, seja por imaturidade, por comodidade, medo, ou qualquer outra coisa que não seja amor.
    Sim, porque o amor nos deixa livres pra escolher ficar!

    Concordo contigo em tudo, sem tirar nem pôr. E já fui rotulada outrora tbm por ter abandonado o comodismo e seguido em frente. O sofrimento do outro, do qual afinal gostamos muito, nos faz achar que não foi a melhor solução, mas nada como o tempo pra esclarecer tudo.

    Beijokas!

    :o)

    ResponderExcluir
  5. O amor é bem mais simples.
    Cadinho RoCo

    ResponderExcluir
  6. Fique à vontade, afinal...ladrão que rouba ladrão tem 100 anos de perdão!!!! Bjs e mto obrigada por passear pelo meu blog!

    ResponderExcluir
  7. Acho que a maioria de nós acaba prologando mesmo a relação por um tempo, tlvez por medo e acomodação. Largar tudo e voltar a arriscar nem sempre é fácil, mas com certeza é o correto. Também passei por situação parecida e o outro lado não me compreendeu. A pessoas relutam muitas vezes em aceitar o óbvio e só com o tempo percebem que o fim as vezes é a melhor saída. Enfim...
    Massssssss, quero aproveitar a visitinha pra agradecer pelo super presente que me deu!!!
    Estou fazendo a lista dos blogs que quero indicar e assim que terminar postarei. Obrogada mesmo... Fiquei super feliz pelo presente e ainda mais por partir de um blog que gosto tanto! Valeu mesmo!
    Aproveitei hj pra atualizar a leitura dos seus posts antigos e eu acho que faria o mesmo que vc na fila... rs
    Engraçado como em supermercado a gente consegue presenciar várias cenas assim irritantes.. rs
    Acho o fim por exemplo quem termina de passar as compras e deixa o carrinho atrapalhando a passagem e o acesso ao caixa...
    Eles pensam que pq passaram a compra deles, ninguém mais vai pagar nada????
    O jeito é ir abstraindo e respirando fundo.. rs
    Bjo e boa semana!

    ResponderExcluir
  8. Oiê, obrigada pelo selinho adorei mesmo, assim que voltar de férias eu divulgo, ah vou te linkar ok? não posso mais esquecer de vir aqui, adoro seu blog !!!!
    Se cuida e bom fim de semana !!!
    Bjks !

    ResponderExcluir

 
Designed by Lena